Tecnologia predomina nas contratações em um mês de quarentena

Após um mês de isolamento devido à pandemia do novo coronavírus, muitas empresas mantêm vagas congeladas ou mesmo demitem, mas há setores que demonstram reação. De acordo com pesquisa cedida com exclusividade para o Estadão pela Revelo, startup de recursos humanos que oferece plataforma digital de recrutamento e seleção com mil empresas e cerca de milhão de candidatos, os segmentos de business intelligence e tecnologia da informação registraram um aumento de % nas contratações em um mês de quarentena decretado vps windows no Estado de São Paulo.

Ainda servidor vps que empresas de tecnologia estejam demitindo, outras tantas corporações se viram obrigadas a migrar para o mundo digital. Entre as funções mais procuradas segundo a Revelo estão analista de dados, analista de performance, engenharia de dados, ciência de dados, administração de sistema e segurança da informação. Os setores de e-commerce e software também permanecem em alta.

A plataforma identificou ainda um crescimento de % a % nas faixas salariais ofertadas, em decorrência do perfil das carreiras e funções com maior demanda vps. “O foco principal está em vagas para profissionais de nível mais sênior, que as empresas sabem que serão necessários daqui para a frente”, diz Lachlan de Crespigny, cofundador da Revelo.

Guilherme Sant’Anna, da XP ., que pretende chegar ao final do ano com um incremento de % no quadro de colaboradores. Foto: Werther SantanaEstadão

Outra percepção é sobre a transição de regime CLT para pessoa jurídica PJ. Além das incertezas sobre o futuro, que têm levado muitas empresas a ter cautela na hora de assumir vínculo empregatício, os próprios profissionais começaram a ver vantagens no formato.

“Agora % dos candidatos si

O que 2020 nos trará de tecnologia?

Carro voador da UberA companhia norte-americana de mobilidade flerta com a ideia de desenvolver um veículo voador desde . Mas as promessas de testar protótipos da tecnologia nunca saíram do papel. Em comunicado realizado em junho, a empresa afirmou que o ano de finalmente marcará os voos em caráter de teste. As cidades de Dallas e Los Angeles, nos Estados Unidos, serão as primeiras a receberem o veículo voador — Melbourne, na Austrália, será a primeira cidade fora do território norte-americano a servir de palco para os testes. De acordo com a Uber, até os primeiros voos comerciais já estarão disponíveis. A ideia é que o veículo seja movido a eletricidade e se torne uma alternativa silenciosa e eficaz para se deslocar rapidamente pela cidade. O embarque e desembarque serão realizados a partir de skyports, semelhantes a heliportos, que estarão espalhados em pontos estratégicos. O projeto prevê que os veículos transportarão até quatro pessoas e serão capazes de realizar uma decolagem vertical. A brasileira Embraer é uma das parcerias da Uber e está desenvolvendo o seu próprio modelo de carro voador. Apresentado nos Estados Unidos em junho deste ano, o veículo conta com oito hélices e dois rotores de propulsão.

Já no ramo virtual apostamos na tecnologia em vps windows da BH Servers que promete para 2020

Novas tecnologias de streaming como jogos e etc devem começar a aparecer também.
É, vamos ver o que 2020 nos brindará.

Data centers só têm a ganhar com a padronização das entradas de alimentação de energia

Há aproximadamente anos, a rede mundial começou a tomar a forma da tão conhecida Internet . A capacidade de conectar de imediato pessoas e empresas ao redor do mundo tornou-se possível e simplificou a forma como fazemos negócios e nos comunicamos. Hoje um serviço tão essencial quanto água ou energia elétrica, a Internet depende de data centers para existir. Data Centers podem ter diferentes formatos, mas todos são fundamentalmente responsáveis por processar, armazenar e entregar informação. Com mais de % da população mundial acessando a internet dados da Internet World Stats, , a indústria de data centers precisa se adaptar continuamente para manter-se relevante e atender às novas demandas dos consumidores. Com o aumento do trabalho remoto e dos serviços de streaming da Internet, os consumidores anseiam por velocidades de conexão extraordinariamente rápidas. A única forma de alcançar essa meta é contar com mais data centers, mais equipamentos de TI e mais energia. Para assegurar rápidas velocidades de conexão, os sites e data centers de edge computing precisam estar localizados perto dos consumidores. Isso exige que empresas como a Google, Amazon e Microsoft - entre outros grandes do mercado global de data centers - implementem unidades em várias regiões do mundo. Trata-se de algo que já está acontecendo nos mercados brasileiros e latino-americanos. Embora a presença de data centers hyperscale a serviço dessas grandes marcas dinamizem as economias locais, outros desafios surgem deste contexto. Um dos principais desafios é o fato de que as configurações de energia não têm um padrão universal. Gigantes que escoram seu crescimento em estratégias globais muito bem planejadas, empresas como Microsoft, Amazon e Google têm de dar um passo atrás - o que atrasa a disseminação da economia digital - quando se trata de um detalhe essencial da infraestrutura de seus data centers. Hoje, um único modelo de Rack PDU rPDU não pode ser implementado globalmente em todos os data centers. A razão disso é que existem diferenças regionais em relação aos padrões de entrada de alimentação. Servidores e equipamentos de rede são projetados para trabalhar com uma tensão de entrada na faixa de V a V. A boa notícia é que, se o padrão de entrada de alimentação varia por região, o hardware que garante a continuidade da oferta de energia permanece o mesmo em todo o planeta. Mas, por hora, é correto dizer que a indústria de Distribuição de Energia nos Racks não se adaptou às estratégias globais de expansão dos data centers hyperscale. Isso se torna evidente quando consideramos a quantidade de modelos de rPDUs que uma empresa global de data centers precisa adquirir para suportar a expansão de seus negócios. Por exemplo, uma empresa de data centers global, com presença em diferentes países, com diferentes configurações de alimentação de entrada de energia, precisará comprar modelos diferentes de rPDUs. Se a isso forem acrescidas as necessidades variáveis de capacidade de alimentação ou de monitoramento - algo que muda de acordo com cada rack ou gabinete -, esse número poderia duplicar ou até mesmo triplicar. Gerenciar tantos modelos de rPDUs e coordenar qual modelo vai para cada data center é complicado, exaustivo e custoso. A face do mercado global de data centers mudaria se um fabricante de rPDUs pudesse oferecer uma plataforma de rPDUs com várias opções de montagem, de receptáculos e de monitoramento, uma infraestrutura capaz de dar entrada a qualquer configuração de alimentação de energia. Um data center poderia simplesmente selecionar um único modelo de rPDU a ser implementado globalmente e comprar, com escala planetária e excelente custobenefício, o cabo de alimentação apropriado para atender a todas as necessidades regionais. Isso simplificaria a gestão de inventário e reduziria significativamente o tempo de implementação da nova infraestrutura digital. Como uma Rack PDU universal ajudaria os data centers globais? • Simplificando a gestão de inventário • Facilitando as Compras • Reduzindo os tempos de implementação • Dando flexibilidade à entrada de alimentação Essa evolução teria impacto imediato sobre as economias onde os grandes data centers hyperscale estão instalados. Em outras palavras: é hora dos fabricantes de rPDUs oferecerem um Rack PDU universal! * Angela Garner é especialista em ofertas de Rack PDUs da Vertiv.

Gartner anuncia queda no mercado global de smartphones no terceiro trimestre de 2019

O Gartner, ., líder mundial em pesquisa e aconselhamento para empresas, anuncia que as vendas globais de smartphones para usuários finais registraram queda no terceiro trimestre de , com diminuição de ,% em relação ao mesmo período de . A demanda permaneceu fraca, com os consumidores tentando obter o máximo valor de seus investimentos.“Para a maioria dos usuários de smartphones, o desejo agora é ter o smartphone mais barato. O cliente deste tipo de aparelho está optando por celulares de médio porte, em detrimento aos similares de alto nível porque eles oferecem uma melhor relação custo-benefício”, afirma Anshul Gupta, Diretor Sênior de Pesquisa do Gartner. “Além disso, enquanto aguardam o aumento da cobertura da rede G para novos países, os clientes de smartphones estão adiando suas decisões de compra para ”.Essa mudança levou marcas como Samsung, Huawei, Xiaomi, OPPO e Vivo a fortalecerem seus portfólios de entrada e seus modelos intermediários. Essa estratégia ajudou a Huawei, Samsung e OPPO a crescerem no terceiro trimestre de . Por outro lado, a Apple registrou declínio de dois dígitos nas vendas. Já a BH Servers registrou um aumento em suas vendas de vps windows.